quinta-feira, 24 de julho de 2014

Negociações de acordos coletivos para trabalhadores de frigoríficos, padarias, engenhos e laticínios não apresentam evolução



      Até o momento o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região não conseguiu efetivar os acordos coletivos para os empregados do Marfrig Group em Bagé e Hulha Negra. A proposta para trabalhadores de padarias, engenhos, indústria de laticínios, pequenos frigoríficos e outros também não tiveram avanços significativos nas últimas semanas. A data-base de ambos os segmentos é 1º de junho.
      O presidente do STIA/Bagé, Luiz Carlos Cabral, avalia que os poucos avanços nas negociações ainda estão muito aquém das necessidades dos trabalhadores. Conforme Cabral, outras categorias pelo Rio Grande do Sul têm obtido maior sucesso na hora de estabelecer as cláusulas, especialmente do reajuste salarial. "Até parece que os trabalhadores de Bagé e região são diferentes em relação aos demais. Estamos com dificuldades para obter melhorias para as categorias", ressalta.
      Cabral cita como exemplo o fato de que os combustíveis, o aluguel e os itens de alimentação custam muito caro na região de Bagé e o trabalhar arca com custos elevados. "É justo que o trabalhador, na hora da negociação, possa ter uma condição salarial adequada para ter uma vida mais digna", reforça o líder sindical.
      Ainda não há uma data estabelecida para uma nova rodada de negociações. Em relação aos trabalhadores do Marfrig/Bagé e do Pampeano Alimentos (em Hulha Negra), a expectativa é que na próxima semana seja realizada um encontro em Bagé, reunindo ainda dirigentes sindicais de Alegrete e São Gabriel,  já que os empregados das unidades do Marfrig naqueles municípios também aguardam o desfecho das negociações. Já em relação ao setor de padarias, engenhos, laticínios, pequenos frigoríficos e outros, não há previsão para um novo encontro com a classe patronal. "As negociações estão difíceis, mas vamos seguir lutando para que os trabalhadores tenham melhorias", pondera Cabral. 

segunda-feira, 21 de julho de 2014

STIA manifesta preocupação com demissões no Pampeano

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região está atento a demissões ocorridas no Pampeano Alimentos, em Hulha Negra. A dispensa de alguns trabalhadores nas últimas semanas, alguns com anos de serviço prestados à empresa, preocupa os trabalhadores.
O Sindicato já realizou contato com o Marfrig Group para saber os motivos das demissões, que foram confirmadas. Entretanto, aguarda a posição oficial da empresa, que ainda não foi divulgada, para tomar outras providências em relação ao fato.

terça-feira, 15 de julho de 2014

Trabalhadores podem sacar PIS/PASEP a partir deste dia 15 de julho

Fonte: Zerohora.com

Os trabalhadores com carteira assinada que recebem até dois salários mínimos terão um dinheiro extra a partir desta terça-feira, quando começa o cronograma de pagamento do abono do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep).

Para os trabalhadores da iniciativa privada, o pagamento é feito conforme a data de aniversário. Quem tem conta na Caixa terá o dinheiro depositado antes, desde que o trabalhador possua conta individual na Caixa, com saldo positivo e movimentação nos últimos meses. Já para os servidores públicos, o Pasep pode ser sacado no Banco do Brasil, e o pagamento segue o número de inscrição. Correntistas também têm o benefício creditado.

O recebimento também pode ser feito nos terminais de autoatendimento, correspondente Caixa Aqui e Loterias, utilizando o Cartão do Cidadão com senha cadastrada. Ou em agência da CEF, mediante apresentação do número do PIS e um documentos de identificação oficial com foto.

Quem tem direito

Têm direito ao abono de um salário mínimo (R$ 724) os cadastrados no PIS-Pasep há pelo menos cinco anos que tenham recebido até dois salários mínimos nos meses trabalhados. Para sacar, é necessário apresentar carteira de identidade, carteira de trabalho ou o cartão do PIS/Pasep.







segunda-feira, 7 de julho de 2014

Sindicato emite nota de pesar pelo falecimento da filha de Luiz Carlos Cabral Jorge

        O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região informa, com profundo pesar, o falecimento de Laudicéia Cristiane Mulé Jorge Rodrigues, filha do presidente da entidade, Luiz Carlos Cabral Jorge, e de Maria Geraldina Mulé, ocorrido neste dia 7 de julho, em Bagé.
        O velório será realizado na Igreja Família de Deus, no município de Hulha Negra. O sepultamento está marcado para dia 8 (terça-feira), às 10 horas, no cemitério municipal de Hulha Negra.
        Laudicéia tinha 36 anos. Era casada com Manuel Henrique Gama Rodrigues e deixa os filhos Luiz Henrique, de 14 anos, e Matheus (cinco anos).

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Segundo encontro entre STIA/Bagé e sindicato patronal para definir dissídio para setor de padarias, engenhos, laticínios e pequenos frigoríficos termina sem acordo


Diretores dos dois sindicatos não definiram data para novo encontro - CRÉDITO ARQUIVO STIA

        O segundo encontro de negociação entre o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região (STIA) com representantes do sindicato patronal em relação ao Dissídio Coletivo/2014 para os setores de padarias, engenhos, indústria de laticínios, frigoríficos (exceto Pampeano e Marfrig/Bagé) e outros não apresentou avanços significativos.  O tema principal foi o reajuste de salários, já que a data-base da categoria é 1º de junho. O encontro entre as partes ocorreu na sede social do STIA/Bagé.
        As empresas oferecem um reajuste salarial de 7.08%, um salário normativo de R$ 910,00, a compensação de domingos e feriados, implementação de um Banco de Horas, desvinculação do salário normativo ao Piso Mínimo Regional, exclusão da cláusula do Acordo Coletivo referente ao Auxílio Escolar, a não inclusão dos salários profissionais de manutenção nos engenhos de arroz e a manutenção das demais cláusulas.
O Sindicato apresentou uma contraproposta. Os trabalhadores querem um reajuste salarial geral de 10% e salário normativo de R$ 940,00, com valor nunca inferior ao Piso Mínimo Regional. Outras propostas são o Auxílio Escolar no valor de meio salário normativo da categoria profissional (pago em parcela única em fevereiro de 2015), qüinqüênio de 5% a cada 5 anos de trabalho na mesma empresa, indenização de cinco dias por ano como compensação dos meses de 31 dias, internação hospitalar (o empregado poderá faltar até dois dias ao trabalho, sem prejuízo do salário.
Outro item importante apresentado pelo Sindicato é o pagamento de salário profissional para manutenção nos engenhos de arroz para as funções de mecânico, soldador, eletricista, balanceiros, laboratorista, molineiro, secadorista, foguista e caldeirista,  no valor equivalente a dois salários normativos da categoria profissional. Outros dois itens da paura de reivindicações são transporte gratuito para todos os trabalhadores, indistintamente, e a manutenção das demais cláusulas.
O sindicato patronal deverá se reunir para analisar a contraproposta feita pelos trabalhadores, mas não ficou estabelecida data para novo encontro entre as partes.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Sindicato entrega doações arrecadadas no Baile do Trabalhador ao Caminho da Luz



        Na tarde deste dia 3 de julho, o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região (STIA/Bagé), Cláudio Gomes Gonçalves, acompanhado do funcionário da entidade Zilmar Gazzo, realizou a entrega de mais de 200 quilos de alimentos não perecíveis ao Caminho da Luz. Os produtos foram arrecadados durante o 9º Baile do Trabalhador, realizado no mês de maio, promovido pelo Sindicato. A doação foi recebida pelo presidente do Caminho da Luz, Ruibar Freitas, pela vice-presidente Iara Freitas e pela gerente administrativa Patrícia Britto. 
        Entre os gêneros alimentícios arrecadados estão arroz, feijão, massa, açúcar, farinha de trigo, farinha de mandioca, farinha de milho, entre outros. "Destinamos ao Caminho da Luz por entendermos o trabalho que a instituição realiza com pessoas com deficiência e pelos serviços relevantes que prestam à comunidade de Bagé e região", assinala Gonçalves.
        O presidente do Caminho da Luz, Ruibar Freitas, manifestou a importância da doação, tendo em vista que os alunos recebem lanche. "A nutrição é a sustentação da vida. Agradecemos ao Sindicato pela lembrança e por reconhecerem a importância do Caminho da Luz em relação aos atendimentos prestados à população regional", pondera Freitas. 

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Primeira rodada de negociações para setor de padarias, engenhos, laticínios e pequenos frigoríficos termina sem acordo



        No último dia 24 houve a primeira reunião entre o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região (STIA) com representantes do sindicato patronal em relação ao Dissídio Coletivo/2014 para os setores de padarias, engenhos, indústria de laticínios, frigoríficos (exceto Pampeano e Marfrig/Bagé) e outros.  O tema principal foi o reajuste de salários, já que a data-base da categoria é 1º de junho. 
        Os trabalhadores pedem um reajuste salarial na faixa de 13% nos salários e um piso salarial de R$ 1.200,00. As empresas ofereceram 7% de reajuste geral para os salários e no piso salarial. 
        O vice-presidente do STIA/Bagé, Cláudio Gomes Gonçalves, ressalta que no momento de os empregadores reajustarem os salários, apresentam alegações como excesso de carga tributária, que a economia global está em baixa, que os salários estão altos e que as empresas estão fechando. "Nosso contraponto é que se empresas fecham não é pelo salários pagos ao trabalhador, mas sim por outras razões", pondera Gonçalves. 
        Uma nova reunião ficou agendada para o dia 1º de julho. "Esperamos que a classe patronal avance, principalmente nos percentuais de reajuste, e valorize a sua mão de obra", assinala o vice-presidente.