quarta-feira, 22 de abril de 2015

Ex-funcionários da Cicade começam a receber valores referentes a Importo de Renda e Previdência Social




            Na tarde deste dia 22, trabalhadores do antigo frigorífico Cicade começaram a receber valores retidos a título de Importo de Renda e Previdência Social. Cerca de 90% das verbas rescisórias não eram tributáveis. A Assessoria Jurídica do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé ingressou com processo para restituição dos valores. Apenas no primeiro dia cerca de 100 trabalhadores receberam os créditos a que tinham direito. Em um primeiro momento, cerca de 350 pessoas estão habilitadas a receber. A Justiça liberou recentemente os alvarás de pagamento.
            A ação tramitava na Justiça há cerca de 20 anos. “Muitos trabalhadores não acreditavam que pudessem receber. Damos os parabéns à nossa assessoria jurídica pela forma como conduziu a ação e agora essas pessoas estão recebendo aquilo a que tem direito”, enfatiza o presidente do STIA/Bagé, Luiz Carlos Cabral. Só estão recebendo valores os ex-funcionários da Cicade que renovam a procuração junto ao Sindicato. Os trabalhadores que ainda não renovaram a procuração, mas entraram com ação na Justiça, podem procurar o Sindicato para efetuar a renovação e ter direito a receber os valores.
            Não há prazo para conclusão dos pagamentos. O Sindicato estima que cerca de 1.000 trabalhadores teriam direito a receber o pagamento – que varia de pequenas quantias até mais expressivas. No que se refere às sucessões, por determinação judicial ainda não estão sendo expedidos alvarás para pagamento. Para que isso ocorra, em um segundo momento, os herdeiros devem receber por intermédio do inventariante (na hipótese de processo de inventário) ou será necessário que cada herdeiro preencha a respectiva procuração. 

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Sindicato suspende realização do Baile do Trabalhador

Motivo principal é a adequação necessária do ginásio à nova legislação em vigor

            Tradicional evento realizado pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região, o Baile do Trabalhador não será realizado este ano. Em reunião de diretoria, o Sindicato decidiu não realizar o evento. O motivo principal são as adequações às novas normas da legislação em vigor da chamada “Lei Kiss”, bem como o ginásio precisava atender as exigências do Corpo de Bombeiros.
            O presidente do Sindicato, Luiz Carlos Cabral, destaca que a reforma ainda em 2015 geraria um custo vastante elevado. “Não teríamos esse valor no momento porque precisamos obedecer ao orçamento que é estabelecido em assembleia”, frisa o presidente. A intenção é realizar a obra por etapas, já que a nova legislação contempla muitos itens.
            O Baile do Trabalhador é assinalado para marcar o Dia do Trabalhador. É realizado de forma gratuita a associados do sindicato e seus dependentes. Também conta com caráter social, tendo em vista que os participantes são convidados a levar alimentos não-perecíveis, que são repassados a entidades assistenciais de Bagé. 

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Trabalhadores aceitam proposta do Marfrig para acordo coletivo

Reajuste geral teve um índice de 7,5%

Funcionários do frigorífico aceitaram reajuste geral de 7,5% e novos valores para piso normativo e dos profissionais
         
Lideranças sindicais apresentaram proposta do Marfrig aos trabalhadores na porta da unidade de Bagé
            Em assembleia realizada na manhã deste dia 13 na porta da fábrica, os trabalhadores do frigorífico Marfrig, em Bagé, aceitaram a proposta da empresa, apresentada no último dia 10 a lideranças de sindicatos de trabalhadores nas indústrias de alimentação. O reajuste geral fica em 7,5%, retroativo a 1º de fevereiro, data-base da categoria. Isso significa um aumento real de 3,37%, mais a reposição da inflação no período entre junho de 2014 a janeiro de 2015 (oito meses, devido à mudança da data-base, que era 1º de julho), que ficou em 4,13%.

            O salário normativo no Marfrig/Bagé teve um reajuste de 10,94%, passando de R$ 950,00 para R$ 1.054,00. O salário de faqueiros, magarefes, desossadores e resfriadores teve o mesmo percentual – passando de R$ 1.000,00 para R$ 1.109,44. Tanto o salário normativo quanto o dos profissionais teve um aumento real de 6,81%.
            Os trabalhadores também tiveram abonado o dia que paralisaram as atividades para decidir os rumos da negociação em assembleia na porta da fábrica, no último dia 8. A sacola ou cartão de alimentação passa de R$ 150,00 para R$ 161,25.
            Já os trabalhadores do Pampeano Alimentos, em Hulha Negra, tiveram também uma conquista, além do reajuste geral. Os empregados tiveram a equiparação dos pisos, o que é uma conquista da categoria, que se arrastava há mais de seis anos.
            Nas duas unidades foram mantidas as demais cláusulas do acordo coletivo de trabalho.
Análise
            Foram ao todo seis reuniões de negociação, envolvendo os sindicatos de trabalhadores nas indústrias de alimentação de Alegrete, Bagé, Pelotas e São Gabriel, sob a coordenação do negociador Darci Pires da Rocha, da Sala de Apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins – Sul (CNTA-Sul). A mobilização do último dia 8 em Bagé e Hulha Negra, com assembleia na porta das unidades do Marfrig é considerada fundamental para a evolução das negociações.
            De acordo com o presidente do STIA/Bagé, Luiz Carlos Cabral, a participação dos trabalhadores na discussão é um dos saldos positivos de todas as ações realizadas. “Consideramos uma importante conquista, pois acreditamos que nenhuma outra categoria conseguirá um índice semelhante ao nosso, tendo em vista esse período de oito meses, de junho do ano passado até janeiro deste ano, como base”, reforça Cabral.
            De acordo com o coordenador da Sala de Apoio da CNTA/Sul, Darci Rocha, os trabalhadores receberão os salários reajustados já na folha de pagamento do mês de abril. 

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Marfrig melhora proposta e acordo coletivo com sindicatos pode ser fechado nesta sexta-feira

Novo encontro entre as partes pode selar acordo coletivo entre sindicatos e empresa

Rodada de negociações ocorreu durante manhã e tarde no sindicato de Bagé 
Rui Mendonça (de azul) representou direção do Marfrig no encontro

      A quinta reunião de negociação entre o Marfrig Group e sindicatos de trabalhadores nas indústrias de alimentação de Alegrete, Bagé, Pelotas e São Gabriel apresentou avanços. O encontro foi realizado na sede do sindicato de Bagé neste dia 9 durante boa parte da manhã e tarde. Uma nova rodada de negociações acontece nesta sexta-feira, dia 10, a partir das 10h, no sindicato de Bagé, com expectativa de que o acordo coletivo de trabalho seja concluído.
      De acordo com o presidente do STIA/Bagé, Luiz Carlos Cabral, houve avanços por parte da empresa. A reunião contou com a presença do diretor do Marfrig da matriz em São Paulo,  Rui Mendonça Júnior, além dos assessores jurídicos Renato e William. "Desta vez houve avanços, apesar de ser uma reunião cansativa, acreditamos que possamos fechar o acordo", ressalta Cabral. Os índices de reposição salarial aos trabalhadores devem ser divulgados após o fechamento do acordo.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Trabalhadores do Marfrig rejeitam proposta da empresa e paralisam atividades pela manhã em Bagé

Cerca de 700 trabalhadores paralisaram atividades no Marfrig em Bagé
No Pampeano Alimentos as assembleias foram realizadas nos turnos de entrada e saída dos trabalhadores, reunindo cerca de 1.400 funcionários

       Mais de 700 trabalhadores do Marfrig em Bagé paralisaram as atividades na manhã deste dia 8. Lideranças sindicais de municípios como Alegrete, Bagé, Camaquã, Dom Pedrito, Pelotas e São Gabriel participaram da mobilização, que tornou-se uma assembleia na porta da fábrica. 
      Os empregados do Marfrig demonstraram seu descontentamento com a proposta de 5% de reajuste salarial apresentada pela empresa no quarto encontro de negociação referente ao dissídio coletivo da categoria, cuja data-base é 1º de fevereiro - o Marfrig propôs a reposição da inflação mais 0,85% de aumento real. A possibilidade de greve não é descartada. Os funcionários do frigorífico também exigem melhores condições de trabalho e de segurança para os trabalhadores. 
       À tarde foi a vez de a mobilização chegar ao Pampeano Alimentos, em Hulha Negra. Cerca de 1.400 Trabalhadores da Marfrig Group participaram de uma assembleia na porta da indústrias e também reprovaram a proposta de reajuste salarial oferecida pela empresa. 
      A direção do Marfrig entrou em contato com os sindicatos e solicitou uma nova rodada de negociações neste dia 9 de abril. O encontro está marcado para as 10h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região, na Rua Melanie Granier, 157. 

terça-feira, 7 de abril de 2015

Sindicatos rejeitam nova proposta do Marfrig e negociação de dissídio não avança

      Na tarde deste dia 7 o quarto encontro entre representantes do Marfrig Group e de sindicatos de trabalhadores nas indústrias de alimentação de Alegrete, Bagé, Pelotas e São Gabriel não apresentou novidades. Com isso as negociações do dissídio coletivo estão emperradas. A data-base dos trabalhadores do Marfrig é 1º de fevereiro.


      O gerente de Relações Trabalhistas da empresa, Jorge Salgado, e a gerente regional de Recursos Humanos da Região Sul do Marfrig, Tânia Maria Camejo, apresentaram uma nova proposta - 5% de reajuste salarial, sendo a reposição da inflação mais um aumento real de 0,85%. As lideranças sindicais, coordenadas pelo responsável pela da Sala de Apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação e Afins - Sul (CNTA-Sul), Darci Pires da Rocha, responsável pela negociação, rejeitaram a proposta. Os sindicatos mantém a proposta de um reajuste de 16%, semelhante ao índice de reajuste do Piso Mínimo Regional de salários, bem como   um Salário Normativo de R$ 1.200,00, um Salário Profissional (Magarefe, Desossador e Faqueiros) no valo de R$ 1.280,00 e a manutenção das demais cláusulas.


      Não ficou definida uma data para nova rodada de negociações. "A empresa não atendeu as reivindicações trazidas pelos sindicatos. Agora não nos resta outra alternativa que não seja a mobilização, já que proposta não atende nem de longe os interesses dos trabalhadores", ressalta Rocha.


      Uma das propostas debatidas no encontro entre as lideranças sindicais é de que os sindicatos realizem assembleias nas portas das fábricas para ouvir diretamente os trabalhadores sobre os rumos que as negociações devem tomar. A data para a mobilização ainda não foi definida.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Sindicatos e Marfrig tem nova rodada de negociações neste dia 7 em Bagé

Marfrig apresentou proposta que foi rejeitada pelos sindicatos de trabalhadores na alimentação no último encontro

      Um novo encontro entre sindicatos de trabalhadores nas indústrias da alimentação de Alegrete, Bagé, Pelotas e São Gabriel com representantes do Marfrig Group acontece neste dia 7 de abril em Bagé. A reunião está marcada para as 14h na sede do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação do município, na Rua Melaniè Granier, 157. É o quarto encontro entre as partes. A data-base para os trabalhadores do Marfrig é 1º de fevereiro. Além de representantes sindicais, estará presente o coordenador das negociações por parte da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins - Sul (CNTA-Sul), Darci Pires da Rocha.
      O presidente do STIA/Bagé, Luiz Carlos Cabral, espera que a empresa apresente uma proposta melhor, tendo em vista que nos encontros anteriores não houve grandes avanços. "A suba do dólar está beneficiando as exportações, o que é muito bom para as unidades do Marfrig em Bagé e Hulha Negra, cuja maioria da produção é destinada ao exterior. Não acreditamos que a situação esteja tão ruim, ainda mais com a notícia da compra de três plantas frigoríficas no Rio Grande do Sul pela empresa, em Alegrete, Capão do Leão e Mato Leitão", reforça Cabral.  A negociação envolveu ainda a compra, pelo Marfrig, de plantas frigoríficas em Pirenópolis (GO) e Tucumã (PA). No total, as cinco unidades representaram um investimento de R$ 418 milhões. 
      "Queremos que as empresas cresçam, mas os trabalhadores merecem ser valorizados. Muitas vezes esse crescimento vem às custas do sacrifício, do enfraquecimento e do adoecimento desses trabalhadores devido à sobrecarga, mas os lucros aparecem só para a empresa", pondera o líder sindical. 
      Os sindicatos também propõem um Salário Normativo de R$ 1.200,00, um Salário Profissional (Magarefe, Desossador e Faqueiros) no valo de R$ 1.280,00 e a manutenção das demais cláusulas. A empresa realizou uma proposta de reposição salarial de 4.13% mais 0,6% de aumento real.