quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Empresa que transporta trabalhadores ao Pampeano conversa com direção do STIA sobre situação dos veículos

Gonçaves e Cabral reuniram-se com Meirelles (centro) para conhecer novos ônibus que serão colocados à disposição dos trabalhadores


      Depois de uma nota oficial da diretoria do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região manifestando descontentamento com a situação dos ônibus utilizados para transporte de trabalhadores para o frigorífico Pampeano Alimentos, em Hulha Negra, a direção da Rodam Transportes entrou em contato com o sindicato para prestar informações. O diretor da empresa, Rogério dos Anjos Meirelles, convidou o presidente do sindicato, Luiz Carlos Cabral, e o vice-presidente, Cláudio Gonçalves, para conhecer alguns dos ônibus que começam a ser colocados à disposição dos trabalhadores para o transporte de Bagé a Hulha Negra.
      Cabral revela que Meirelles pediu desculpas pelos problemas ocorridos. Alguns ônibus já estão em circulação. O diretor garantiu que haverá melhorias no transporte pois novos veículos serão colocados em circulação. "A empresa garante que conforme houver a liberação dos ônibus eles serão colocados em circulação, com o compromisso de que em breve todos os ônibus serão no mesmo padrão", ressalta o presidente do STIA/Bagé.  "Solicitamos aos trabalhadores que também colaborem no cuidado com os ônibus e zelem pelas condições dos veículos, já que todos os trabalhadores vão utilizá-los", complementa Cabral. 
      O problema com a condição dos veículos havia sido debatido em reunião da diretoria do Sindicato no começo de agosto, com a informação de que os veículos que realizavam o transporte, por parte da Rodam, foram deslocados para o Mato Grosso e uma frota mais antiga foi colocada à disposição dos trabalhadores. Alguns ônibus estariam com problemas em vidros e portas, causando desconforto aos trabalhadores. A diretoria do Sindicato foi informada pela empresa de que o problema seria burocrático pois haveria veículos novos à disposição, mas ainda sem condições de trafegabilidade. 

terça-feira, 23 de agosto de 2016

STIA/Bagé tem representante no VI Congresso Nacional da Alimentação


      O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região, Cláudio Gomes Gonçalves (foto), viaja neste dia 24 para São Paulo. O dirigente sindical participa do VI Congresso Nacional da Categoria Profissional da Alimentação, que acontece no município de Praia Grande. A promoção é da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação e Afins (CNTA-Afins).
      Gonçalves é integrante da Secretaria Nacional dos Aposentados da CNTA no ramo da alimentação. A abertura do evento acontece dia 25, das 13h às 15h, vindo na seqüência a apresentação das teses de debate.
O objetivo do evento, que deverá reunir lideranças sindicais, autoridades e especialistas nas áreas do Direito, Saúde e Economia, é traçar metas para atuação das representações dos  trabalhadores da categoria para os próximos quatro anos. A Assembleia Geral Ordinária da categoria também ocorrerá no encontro.
      Entre as discussões das teses estão a atual conjuntura econômica e política do país, levando à alta rotatividade e ameaças de demissões em massa nos setores da Alimentação - entre eles o de frigoríficos, o que interessa diretamente a nossa região. O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos e Socioeconômicos (DIEESE) fará um panorama do perfil dos trabalhadores nos principais setores entre os anos 2014 e 2015, com o estudo Raio X da Alimentação, a ser lançado no dia 25, mesma data de apresentação das teses. 
      No dia 26, representantes de aproximadamente 110 entidades sindicais debaterão e aprovarão resolução do encontro. O Congresso terá ainda uma homenagem às vítimas de acidentes de trabalho. A programação encerra com uma palestra de Alfredo Rocha sobre motivação.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Avança obra da subsede do STIA em Hulha Negra

Condição do tempo colabora para obra ganhar forma na área central de Hulha Negra

      Iniciada em março de 2015, a obra de construção da subsede do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região em Hulha Negra está em ritmo acelerado. A diminuição das chuvas permitiu o avanço das atividades. "Isso é uma demostração de seriedade desta diretoria e de como se administra uma entidade de trabalhadores", ressalta o presidente do STIA/Bagé, Luiz Carlos Cabral.
      O canteiro de obras instalado na Rua Laudelino da Costa Medeiros, 1279, na área central de Hulha Negra. O trabalho deve ser realizado em duas etapas. Na primeira (atual), serão construídos uma sala de espera, consultórios médico e odontológico, sala de reuniões, além de cozinha e banheiros. Em uma segunda etapa será erguido um salão de eventos, depósito e outras dependências para proporcionar conforto no atendimento aos associados. Quando toda a obra for finalizada, a área de edificação será de 663,61 metros quadrados. 

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Diretoria do STIA/Bagé preocupada com transporte de trabalhadores para Pampeano Alimentos

Diretores relatam que situação já passou do prazo dado pela empresa e querem solução do problema

      A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região esteve reunida na manhã deste dia 4 para tratar sobre uma série de assuntos de interesse da categoria. Na oportunidade foi tratada a situação de trabalhadores de frigoríficos, padarias, engenhos, indústrias de laticínios e outros. Um dos pontos principais do encontro foi sobre a situação do transporte de trabalhadores de Bagé para o Pampeano Alimentos, em Hulha Negra. A preocupação é grande com as condições da frota responsável por levar os empregados até a planta industrial.
      O problema decorre há cerca de 35 dias. Os veículos (ônibus) que realizavam o transporte, por parte da empresa Rodam, foram deslocados para o Mato Grosso e uma frota mais antiga foi colocada à disposição dos trabalhadores. A expectativa era de que em 20 dias novos veículos seriam colocados em circulação, o que não aconteceu. De acordo com relatos de trabalhadores, alguns ônibus estão em péssima qualidade, tendo vidros e portas que se abrem sozinhos ou que, para serem fechados, precisaram ser parafusados."Os trabalhadores estão viajando em veículos de péssima qualidade e que colocam sua saúde em risco", destaca o presidente do  STIA/Bagé, Luiz Carlos Cabral. 
      A diretoria do Sindicato foi informada pela empresa de que o problema é burocrático pois haveria veículos novos à disposição, mas ainda sem condições de trafegabilidade. 
      Em Bagé, a frota também deixa a desejar na avaliação da diretoria. Os trabalhadores se queixam aos diretores sobre a falta de conforto. A frota não é renovada há alguns anos.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

STIA/Bagé analisa proposta de reajuste encaminhada por sindicato patronal para trabalhadores de padarias, engenhos, laticínios e pequenos frigoríficos

Segundo encontro apresentou avanços - ARQUIVO STIA/BAGÉ


      O segundo encontro de negociação entre o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Bagé e Região (STIA) e o Sindicato das Indústrias de Alimentação de Bagé referente ao dissídio coletivo 2016/2017 para os trabalhadores de padarias, engenhos, indústria de laticínios, pequenos frigoríficos e outros ocorreu no último dia 26. A proposta apresentada pelas empresas para o Acordo em Convenção Coletiva de Trabalho está sendo analisada pelo sindicato. A reunião de negociações entre as partes ocorreu na sede social do STIA/Bagé. 
      A proposta consiste em um piso salarial da categoria no valor de R$ 1.160,00 e um reajuste de 10% para os demais salários, além da manutenção das demais cláusulas. A data-base da categoria é 1º de junho. Vale destacar que os trabalhadores que recebem o piso salarial da categoria já tiveram um reajuste de 9,60% em fevereiro de 2016 referente ao índice de reposição do Piso Mínimo Regional, antecipando em quatro meses o reajuste da data-base.
      O presidente do STIA/Bagé, Luiz Carlos Cabral, ressalta que ainda não há definições para o Acordo Coletivo, embora tenha ocorrido avanço nas negociações. "A diretoria está analisando a proposta. Houve melhorias em relação a primeira proposta, onde o sindicato patronal oferecia apenas 80% da inflação do período e agora vislumbramos um aumento real", frisa Cabral. A inflação no período entre junho de 2015 e maio de 2016 (período de 12 meses para análise do índice) ficou em 9,82%.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Preocupação com dificuldade de acesso ao auxílio-doença mobiliza CNTA e Sindicatos


      A Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA-Afins) encaminhou um ofício à Casa Civil da Presidência da República pedindo formalmente explicações sobre a proposta que visa dificultar a obtenção de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez pelos trabalhadores. A iniciativa, que foi destaque no jornal Correio Braziliense, motivou mobilização dos sindicatos filiados. Uma série de iniciativas está sendo realizada, inclusive pressão política junto a deputados e senadores, para impedir qualquer tipo de prejuízo aos trabalhadores. 
      A iniciativa da CNTA e dos sindicatos tem como objetivo não permitir ainda mais as grandes dificuldades que os segurados, especialmente os trabalhadores, já têm para fazer jus tanto ao auxílio-doença como na aposentadoria por invalidez. 
      O documento, assinado pelo presidente da CNTA, Artur Bueno de Camargo, destaca total apoio pela busca de políticas eficazes que que façam justiça a segurados que necessitem de benefícios e que seja negado aos que não fazem jus. "Isso é o mínimo que esperamos dos médicos peritos do INSS. Mas vemos com grande preocupação a utilização do trecho 'dificultará o acesso ao benefício', conforme consta na referida matéria (do Correio Braziliense), pois os segurados já têm grande dificuldade para terem acesso às perícias médicas e não precisam de mais dificuldades", ressalta o ofício.
       A CNTA apresenta sugestões propondo ações no combate às causas que elevam o grande número de segurados afastados por doença ou invalidez. Entre eles a estruturação dos órgãos fiscalizadores, entre eles o Ministério do Trabalho, com agentes fiscais suficientes no combate ás condições precárias de trabalho, que possibilitam as ocorrências de acidentes e doenças ocupacionais. Outra sugestão é a transparência nas informações sobre os acidentes de trabalho e doenças ocupacionais, com informações pontuais por empresas e mais agilidade na divulgação das informações.  
Síntese
      O ofício foi encaminhado à Casa Civil no último dia 12. Pela reportagem publicada, o governo quer adotar três medidas de imediato para diminuir os gastos com a Previdência.  A principal mudança pretende dificultar o acesso a benefícios como auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. Com ela, o governo espera uma economia de R$ 6,3 bilhões por ano aos cofres públicos. O deficit do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é estimado em R$ 146 bilhões este ano e em R$ 183 bilhões em 2017.
      O assessor especial da Casa Civil Marcelo de Siqueira explicou que a primeira medida será um pente-fino nos benefícios de auxílio-doença e invalidez que são recebidos por períodos prolongados. Há mais de 3 milhões de auxílios mantidos pelo INSS a um custo médio mensal de R$ 3,6 bilhões. A autarquia deveria revisá-los a cada dois anos, mas não o faz. “Quem recupera a capacidade deve retornar ao mercado. A lógica é fazer revisão para manter só quem estiver nessa condição”, disse.

Bônus de eficiência
      Para acelerar as revisões, o governo vai conceder um bônus de eficiência aos peritos. Siqueira anunciou que há quase 840 mil beneficiários de auxílio-doença por mais de dois anos e a potencial economia é de R$ 4 bilhões. Outros R$ 2,3 bilhões viriam das aposentadorias por invalidez. “Na primeira medida, a estimativa que facilmente será superada é de reversão de 30% dos benefícios. Em relação à aposentadoria, a projeção é reverter 5%”, detalhou.
      O secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, Alberto Beltrame, disse que a preocupação central do governo é buscar eficiência para que os benefícios cheguem “nas mãos corretas”. Ele anunciou a ampliação da capacidade operacional do INSS. “Vamos acrescentar em torno de 100 mil perícias para as revisões”, calculou.
      O pacote do governo também prevê mudanças na inscrição do chamado Cadastro Único do INSS. O objetivo é confrontar as informações com os demais programas. O benefício assistencial, no valor de um salário mínimo, é destinado a idosos (acima de 65 anos) ou pessoas com deficiência cuja renda familiar per capita não seja superior a um quarto de salário mínimo.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Trabalhadores que não receberam abono salarial do exercício 2015/2016 ganham prazo para retirar pagamento


      O Diário Oficial da União publicou autorização do pagamento do abono salarial referente ao exercício 2015/2016 para aqueles trabalhadores que têm o direito, mas não o receberam dentro do prazo.
      Com a publicação da Resolução CODEFAT nº 771/16 foi autorizado, excepcionalmente, o pagamento do Abono Salarial, referente ao exercício de 2015/2016, aos participantes que não receberam o benefício durante a vigência dos cronogramas constantes dos Anexos I e II da Resolução CODEFAT nº 748/15.
      Neste sentido, a realização do pagamento aos participantes do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP), a que se refere o art. 9º da Lei nº 7.998/90, deverá ocorrer no período de 28/07 a 31/08/2016.
      A Resolução CODEFAT nº 771/16 entrou em vigor em 04/07/2016 data de sua publicação no Diário Oficial da União.